Eu dependo da graça…

24abr18

graca

É interessante como nós podemos compreender que somos salvos pela graça de Deus, mas não conseguimos aceitar o fato de que só podemos viver através dela.

É claro que o nosso discurso não é este. Nós dizemos que dependemos da graça de Deus para viver, mas isto, muitas vezes, nada mais é do que uma frase bonita.

Graça é um favor que eu não mereço. Se eu mereço, não é graça. Daí que é só quando eu tenho consciência do quanto eu não mereço, que eu, finalmente, começo a reconhecer minha desesperada necessidade desta graça de Deus.

Mas, a imensa maioria de nós, não pensa assim.

Lá no fundo, nós achamos que merecemos alguma coisa; para não dizer, muita coisa. É como se tivéssemos um crédito acumulado com Deus, como se fôssemos salvos pela fé, mas sustentados por nossas próprias obras e realizações.

Ou seja, nós aceitamos que começamos a ter comunhão com Deus pela Sua graça, através do que Jesus fez por nós na cruz do Calvário, mas, acreditamos que mantemos nossa comunhão com Ele através de nossas obras e justiça própria.

A verdade, é que nossa religiosidade é tão cheia de interpretações pessoais e enganos, que nos convencemos que somos mais justos do que os outros, por causa daquilo que fazemos ou deixamos de fazer. E, de repente, lá no íntimo, achamos que Deus e a vida nos devem algo, por tudo de bom que temos sido e realizado.

Eu sei que nenhum de nós reconhece isto abertamente. Mas, é algo que está implícito no modo como lidamos com a fé e a vida.

É então que eu percebo o quanto a nossa chamada “fé evangélica” tem, aos poucos, deixado de ser evangélica. Porque a Bíblia claramente afirma que “pela graça somos salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós; é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie”.

Mas se eu começo a me vangloriar da minha espiritualidade e me enxergar melhor que alguém ou acima da média, algo está desajustado dentro de mim, porque a Bíblia afirma que não há um justo, nem um sequer; mas que todos nós só somos justificados diante de Deus pela nossa fé em Jesus Cristo.

Será que é tão difícil aceitar que todos nós mancamos e somos rachados interiormente? É tão difícil abrir o coração e clamar pela graça de Jesus, não só para nos salvar, mas para nos sustentar a cada dia em Sua presença? É tão difícil, não só começar dependendo do que Jesus fez por nós na cruz e na ressurreição; mas continuar, cada dia, dependendo daquilo que Ele fez por nós?

Os reformadores do século 16 pregaram “só Cristo”, “só a fé”, “só a graça”, “só a Escritura” e “só a Deus a glória”.

Só que em nossos dias parece que estamos ouvindo um “novo Evangelho”, onde você tem que conquistar a sua salvação. As pessoas estão fazendo “sacrifícios”, “votos”, “promessas” e “desafios”, para depois esperarem algo em troca de Deus.

Mas onde estão aqueles que vão, simplesmente, se render prostrados, em assombro e adoração, diante de Deus, clamando unicamente por Sua graça e favor sobre as suas vidas?

Paulo escreveu: “Assim como recebestes a Cristo Jesus, como Senhor, assim, andai nele”. Nós o recebemos pela fé e precisamos caminhar nele pela mesma fé.

Onde estão os que vão reconhecer, que não são apenas salvos pela fé; mas, que vivem pela fé? Onde estão os que reconhecem que não só precisaram da misericórdia de Deus para terem um encontro com Jesus, mas que precisam dela para continuarem a caminhar, a cada dia? A Bíblia diz que “o justo viverá da fé”.

Crer na graça de Deus é bem mais do que apenas falar sobre ela, cantar sobre ela ou mencioná-la a cada vinte palavras em uma mensagem. Crer na graça de Deus, revelada em Jesus, é saber o quanto se necessita dela todos os dias e o quanto ela é a razão de todo bem que Deus faz em nossas vidas.

Paulo escreveu certa vez: “Não sou digno de ser chamado apóstolo… mas, pela graça de Deus, sou o que sou, e a Sua graça para comigo não foi vã, antes me esforcei mais do que todos eles. Mas, não eu; e sim, a graça de Deus comigo”.

O que ele estava dizendo era: “se eu sou algo, eu só o sou, por causa desta graça de Deus em minha vida”.

Tudo é porque Deus não me trata segundo as minhas imperfeições, contradições e pecados, mas, segundo a Sua misericórdia. Tudo é porque Ele não me dá o que eu mereço; mas, sim, o que o Seu favor escolhe me conceder. Tudo é por causa do que Jesus fez por nós entregando a Sua vida em nosso lugar.

É quando eu tenho consciência disto, que eu paro de julgar o meu próximo, porque eu sei que se não fosse esta graça de Jesus, eu jamais teria conseguido sobreviver.

Eu aprendo que a graça de Deus é suficiente, porque o Seu poder se aperfeiçoa na minha fraqueza. Então, quanto mais consciência eu tenho da minha fragilidade, mais eu terei consciência do favor de Deus sobre mim. E isto, simplesmente, porque eu sei que se não fosse o Senhor que esteve ao meu lado, eu jamais teria conseguido. Eu dependo dele.

Não é quem eu sou, nem quem eu fui; não é o que eu fiz e nem o que eu faço, mas é a Sua graça em minha vida. E tudo que eu posso dizer é: “Obrigado, Senhor”! Tudo que eu posso fazer é me prostrar diante dEle e dar glórias ao Seu nome. Tudo que eu posso fazer é continuar dependendo deste favor de Deus, revelado em Jesus, para viver a cada dia.

Que, hoje, você e eu possamos nos aproximar do trono da graça, para alcançarmos graça e socorro, em tempo oportuno.

O Deus de toda graça guarde as nossas vidas, em Cristo Jesus.

Paulo Cardoso

 

Visite nossa home page: Encontro com a Vida

Ouça-nos, aos domingos, pela rádio 93 FM (RJ), às 22:30 horas. Ouça online clicando aqui no dia e horário acima.

 

Anúncios


%d blogueiros gostam disto: